Inefável Solilóquio


Capítulo 7. Falta de Retórica
25 maio , 2007, 13:19
Filed under: Conto, Inefável Solilóquio

Disse que ficava bonita quando chorava. As contrações próprias do rosto, o vivaz vermelho da pele, os lábios intumescidos e a pele encharcada. Com as pontas do dedo, retive algumas preciosidades para si. Aqueles pequenos exemplares… Se pudesse as guardava para reverenciar toda manhã. Frutos de uma certa humanidade que se perdeu em intempéries. Invejava-a pela espontaneidade emocional da garota. Sentia uma ligeira pena também e um arrependimento diante do sentimento, mas não havia o que fazer. Era contemplação, inveja e pena. Tudo entrelaçado dialeticamente… E os corvos lá fora assim me anunciavam.

 

 

(do conto Inefável Solilóquio – Juliana dos S. de A. Sampaio)

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: